quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Carnaval Offline

Com o burro na sombra

Na sexta-feira, coloquei um aviso no meu Orkut: "OFFLINE por todo o Carnaval". E a verdade é que não estive apenas fora do Orkut, mas completamente offline: sem celular, sem computador, sem nada. Contato com a civilização? Um único orelhão, sempre com fila, ao lado de uma igrejinha e de uns dois ou três botecos. E isso a menos de 3h de BH, no lugarzinho onde eu e o Nando nos enterramos nesse feriado - Lapinha da Serra, um vilarejo que integra o Circuito Turístico da Serra do Cipó.

Para chegar à Lapinha, são cerca de 90km de asfalto, passando por Lagoa Santa, e depois mais 42km de estrada de terra. É um bocado de chão, mas vale a pena, porque a própria estrada já é um passeio - agora, na época das chuvas, o vermelho intenso da terra contrasta com todas as gamas de verde de uma vegetação de cerrado incrivelmente exuberante. Lindo, lindo, lindo.


O mais impressionante é que o lugar é simplesmente um aglomerado de belezas naturais para onde quer que se olhe. Montanhas, cachoeiras, rio, lago, flores, árvores, é até difícil encontrar um enquadramento de foto que não seja de babar. E o que não falta na Lapinha são atrações nos mais diversos níveis de dificuldade para quem gosta de trekking e escalada.



Foram cinco dias de caminhadas, subidas, mergulhos, comida mineira caseira (recomendadíssimo o restaurante Moendas, comandado pela Rosângela e seu tempero maravilhoso), cochilos depois do almoço, longas tardes tocando violão, batendo papo com os vizinhos de pousada, ou simplesmente deixando o tempo passar.

Namorado forte, namorada desprevenida!

Lapinha é cheia de gente alternativa, uns hippies desgarrados, naturebas em geral, aventureiros, além, é claro, na época do Carnaval, da turma que só quer beber e farrear. Infelizmente, essa turma ia para as cachoeiras e deixava um rastro de lixo, latinhas de cerveja, garrafas plásticas.

Aliás, esse é um dos grandes problemas ali, atualmente: a depredação. Vimos motocicletas pasando por trilhas em que isso é proibido, lixo de todo tipo jogado até mesmo em lugares de difícil acesso, água poluída. Já há diversas iniciativas locais para buscar mais fiscalização, e espero que eles tenham sucesso em minimizar o impacto.

Até alguns anos atrás, nem pousada havia em Lapinha, e era preciso acampar. Hoje, com o crescimento do turismo, já são várias pousadas, além de diversos estabelecimentos - a maior parte bem charmoso e adequado ao clima do lugar. Ficamos na pousada O Pico do Cipó, e adoramos o lugar, tanto pelas instalações, quanto pela simpatia do Paulo e de sua família.

O nome desse lugar, acreditem: Paraíso.

Na noite de terça, para despedir, uma "jam session" improvisada no barzinho natureba da Sandra (caldo de mandioca com alho-poró, aceitam?), com direito a bandolim, percussão de tudo quanto é tipo, e um sambinha bem animado.


Fomos embora na quarta já fazendo planos de voltar para ir aos lugares que ainda não conhecemos.

Depois de um Carnaval desses, o ano pode até começar.

O paredão da Lapinha, no dia em que chegamos

9 comentários:

Eri Ramos Bastos disse...

Vou dizer que comecei a ler e pensei: Uia... tá ai um lugar que eu passaria as férias.
Mas ai, lógico, você lembrou de que país estava falando: "Aliás, esse é um dos grandes problemas ali, atualmente: a depredação..."

:-P

F. Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
F. Gomes disse...

Olá! A coisa (ainda) não é tão feia assim - a Lapinha é um lugar maravilhoso e vale a pena gastar um pedaço das férias lá. Os cinco dias que passamos lá não foram suficientes para ver 1/10 das belezas do lugar. Recomendadíssimo!

Pati disse...

Já me tem no MSN? patipharia@gmail.com

Sara Favinha disse...

Que lindas as fotos!! Vamos programar??

Ventania disse...

Ualll, não conheço. Depois quero as dicas, tá?! Bjok.

Gustavo disse...

Ai ai! saudades de minhas terras tupiniquins! Lembro-me quando fogia do carnaval do Rio para Ouro Preto. Nossa...
Mas vou te dizer, que nunca havia me ocorrido em ir escalar em Minas! Agora que você me mostrou o caminho, vou lá! hehehe

PS.: Finalmente vi a foto do dito cujo! huauhahuauhahu
Beijos

Desirée disse...

Poizé Da. Deborah, tava bem pensando qual o vício vou arrumar desta vez. Correr? Uma boa opção, mas será que sei fazer isso sozinha? Nunca tentei... :(
Bjo, Desirée

Tássia - Texto Assessoria disse...

Site Frontline mostra como seu pet te faz bem e presenteia com consultas com Alexandre Rossi

A partir de agora, donos de cães e gatos podem ganhar uma consulta com Alexandre Rossi e sua equipe. Frontline, o antiparasitário mais conhecido no mercado por garantir proteção máxima contra pulgas e carrapatos, lança artigos e vídeos sobre como seu pet te faz bem no site www.frontline.com.br e ao participarem com histórias sobre os diversos temas tratados na revista virtual, os proprietários podem ganhar uma consulta com o especialista em comportamento animal.

Atualmente, Alexandre Rossi se dedica ao quadro Dr. Pet, da Rede Record, e está a frente da Organização Cão Cidadão, empresa que oferece, entre outros serviços, consultas comportamentais e adestramento em domicílio. No endereço eletrônico www.frontline.com.br podem ser encontrados dicas e vídeos sobre comportamento animal e cuidado com os pets.

Para participar, acesse www.frontline.com.br e conte uma história de seu pet sobre os temas tratados.

Sobre a Merial
Merial é um líder mundial em saúde animal, focado na inovação e no fornecimento de uma ampla linha de produtos ligados à prevenção e ao controle sanitário, ao bem-estar e à performance de pequenos, médios e grandes animais. A organização conta com cerca de 5.400 funcionários e tem operações em mais de 150 países. As vendas globais da Merial em 2008 atingiram US$ 2,6 bilhões. A Merial resulta de joint-venture entre a Merck & Co, Inc e a sanofi-aventis. Mais informações: Merial