sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Vida Saudável

Além do meu óbvio sumiço de blogs, Orkut e afins nos últimos tempos, andei mudando mais algumas coisas na minha vida. Nada a ver com resolução de ano novo - até porque isso tudo veio acontecendo ao longo do ano passado, culminando no período logo antes das festas. O fato é que estou levando uma vida absolutamente saudável, como nunca imaginei que conseguiria.

É bom que eu esclareça algumas coisas. Primeiro, nunca fui vaidosa. Até o meio da minha adolescência, lá pelos 15-16 anos, eu mal me preocupava em lavar cabelo. Usava calças largas de skatista (e não, nunca andei de skate, e me acho incapaz de me equilibrar em cima daquilo), camisetas folgadas, tênis. Minha mãe escolhia meu shampoo, e tentava me convencer a me arrumar um tiquinho. Fazer as unhas? Usar um hidratante? Passar maquiagem? Quando muito, na hora de ir às festas de 15 anos, e olhe lá. Só fui melhorar depois da faculdade, e mesmo assim, sem muita convicção.

Segundo, sempre fui boa de garfo. A típica pessoa que come bem e não tem medo de comer. Picanha, feijoada, lasanha, torta de chocolate, sorvete, colocou no prato, eu como. Amo comida. (Embora, por outro lado, isso inclua também as saladas: sou v-i-c-i-a-d-a em salada, amo agrião, alface americana, tomate maçã, e tudo só com limão ou azeite e um tiquinho de sal.)

Terceiro, eu não sou, por natureza, uma pessoa disciplinada. Meu quarto é uma bagunça, sempre esqueço de tirar extrato semanal no banco, nunca sei quanto dinheiro tem na conta (mas não, não entro no cheque especial, e odeio pagar qualquer tipo de juros), nem sempre ligo nos aniversários dos amigos, fico em casa pra estudar e entro no Orkut, procrastino.

Enfim. A despeito de tudo isso, a vida que eu vinha levando começou a me incomodar no começo do ano passado. Maus hábitos alimentares, gordura sobrando por todos os lados, calças apertadas, auto-estima no dedão do pé, falta de fôlego até pros treinos de aikido. Comecei com a corrida, logo no comecinho do ano. Timidamente, nem sempre conseguindo correr duas vezes por semana, mas tomando gosto pela coisa.

Depois, veio o término de namoro, que significou uma perda rápida e drástica de peso, algo em torno de uns 2 ou 3kg, porque eu simplesmente não conseguia comer. E veio junto a sensação de que dava para continuar tocando a vida sem recuperar todo aquele peso morto, o que só me estimulou a continuar correndo.

E aí, chegou o Nando - para quem não conhece, devo dizer que o rapaz é sarado, todo musculoso - e, com ele, uma vontade de melhorar, de ficar mais bonita e melhor comigo mesma. Começamos a correr juntos, e o estímulo foi só aumentando para impulsionar uma mudança ainda maior.

Os hábitos foram sendo adquiridos aos poucos, e se incorporaram à rotina. Esfoliante. Hidratante. Leave-in. Lancheira com sanduíche e suco pra levar ao escritório. Arroz integral. Menos coisas gordurosas. Menos chocolate. Musculação. Corrida com dia e horário inadiáveis. Peito de peru defumado. Sobremesa só às sextas-feiras. Férias em Salvador correndo na praia todos os dias. Hidratante com uréia para cotovelos e pés. Hidratante para as mãos. Filtro solar todos os dias antes de sair de casa. Iogurte desnatado com aveia no café da manhã. Comunidades de corrida no Orkut. Tênis Asics top de linha para pisada pronada. Saber o que é pisada pronada. Menos refrigerante. Mais sucos. Muita fruta.


Meio sem querer, quando assustei, meus hábitos de vida tinham se tornado tudo aquilo que médicos e nutricionistas recomendam. Alimentação balanceada, exercícios e cuidados diários com a pele. Assustador.

O problema é que esse negócio vicia, porque os resultados são muito claros. Tenho um corpo hoje que nunca tive antes, com pouca gordura, firme, desenhado. As calças servem!!! Os vestidos ficam bonitos! E a pele está bonita, firme, quase sem espinhas.

As manchas que tinha nos dentes, causadas por corantes artificiais das bobagens que eu comia, simplesmente desapareceram. Dentes brancos! E eles também pararam de se desgastar, porque finalmente fiz minha plaquinha de bruxismo (eu ranjo os dentes à noite).

Sinto disposição para tudo o tempo todo, não tenho mais preguiça de sair de casa, ou de fazer uma caminhada. Levanto cedo sem reclamar, não fico mais mole e sonolenta.

Não sinto mais dores nas articulações, mesmo quando fico trabalhando no computador, porque a musculatura de sustentação está forte. Para o Aikido, isso é uma bênção, com aquele monte de chaves. Aliás, não fico mais ofegante durante o treino, encaro tudo numa boa.

Foi uma mudança radical, e teve um custo nos meus prazeres imediatos - em especial na comida. Mas o prazer que isso vem me trazendo de tantas outras formas compensa sem discussão! E acaba me fazendo sentir um pouco mais adulta, bem agora, às vésperas de completar meu primeiro quarto de século. É como se eu tivesse entendido, finalmente, que sou responsável pelas conseqüências das minhas escolhas, e que posso fazer escolhas melhores agora.

O próximo passo é criar uma rotina de estudos. Vou um passo de cada vez, mas o que consegui implementar nos hábitos de saúde me mostrou que é possível, sim, e que depois que nos acostumamos, é difícil até lembrar de como era a vida antes.


Eu, Nando e mamãe, depois de uma prova
(Sim, todo mundo ganha medalha, igual olimpíadas de colégio - "o importante é competir", lembram?)

8 comentários:

Eri Ramos Bastos disse...

"Lancheira com sanduíche e suco pra levar ao escritório. Arroz integral. Menos coisas gordurosas. Menos chocolate. Musculação. Corrida com dia e horário inadiáveis. Peito de peru defumado. Sobremesa só às sextas-feiras."

Li esse texto com o pesar de um amigo que lê sobre o outro falando que entrou pro mundo das drogas.

Força, Deborah! Você supera essa fase! As churrascarias te esperam de braços abertos quando quiser voltar.

Flá disse...

Uau! Quanta força de vontade!
Fui lendo seu post e pensando que poxa, preciso fazer uma coisa dessa qualquer dia desses.
Aí entro aqui e leio o comentário do meu digníssimo... ou seja, já viu o apoio que eu tenho, né? rsrsrs

Eu tbm digo: "Força, Deborah" mas completo: "continua assim que vc chega lá!"

Anônimo disse...

Hehehehe... já chegou!

Sara Favinha disse...

Aeeee, que legal!!

Esse cara aí em cima tá por fora (hahaha), também estou entrando pro time Deb e realmente, os resultados são indiscutíveis...

Não é só questão de viver, mas de viver bem, com disposição, energia e sem enxaquecas...

Ventania disse...

Oie! Nossa, quando eu crescer quero ser assim... todos os dias acordo pensando que preciso mudar, melhorar hábitos. Mas nada melhora, sou tipo um ficcus, raizes imennnnnnnsas, presas no chão! rs
Sucesso querida! Ah... vou te caçar no orkut. Bjok.

Alessandra Mosquera disse...

Pois é, eu comecei a correr, como te disse pelo Facebook... ainda estou no comecinho, bem no comecinho, porque afinal de contas eu nunca corri na vida, e além disso sou asmática... tenho que ir na base do "baby step", mas devagar se vai longe, né?
Preciso retomar a alimentaçao, antes do casório eu comia muito bem mas depois meti o pé na jaca... aiaiai... vou voltar, prometo!
Porque vc tem razao, essas pequenas coisas causam uma mudança tremenda... me lembro que eu tinha muito mais disposiçao e até humor melhor quando comia mais verdura e menos porcaria. Nao é bobagem,nao.
Parabéns Deb, e parabéns ao Nando, por te ajudar! Nada como homens como os nossos! Hehehe, Ernesto nao é fortao como ele, mas acho que eles têm muito em comum!
E já te disse, mas repito: você fica linda de amarelo.
Beijos

Babi disse...

Quem é você e o que você fez com a minha amiga?!

Saudade de você, moça!

E você sabe que mesmo que eu ache loucura, se te faz bem dou o maior apoio, né?

mu disse...

Que inveja! Queria eu ter uma disposição assim! Haha. Mas vamos lá, nunca é tarde para eu tentar mudar.

Grande abraço!