terça-feira, 17 de junho de 2008

Pilha de palavras

Em abstrato, entendo.
Concretamente,
antiteoricamente,
tododiamente,
ignoro.
Escrevo as verdades
para não esquecer
e esqueço as palavras
desaprendo a ler
para não lembrar.
Não, não sou abstrata.
Talvez por isso
permaneça.
O cotidiano me corrói,
lentamente,
nos cantos agudos
da incompreensão.
E as camadas se acomodam,
a gordura se acomoda,
a mediocridade se acomoda,
tudo empilhado,
sem abstração.

2 comentários:

Ventania disse...

Hei! Nem me fala de cotidiano... afe! Bjos, Desirée

ps.: fiz curso na Papel Picado sim. Vou fazer o "avançado" no sábado. Teoricamente não poderia ter passatempos, já que estou estudando. Mas estou adorando! =]

David Nateras disse...

definitivamente la mdicridad se acomoda pero tambien las virtudes, bueno eso creo.
un saludo
hl